12 julho 2021 | Deepa Senapathi | 0 comentários

As escolhas que fazemos: Biodiversidade e segurança alimentar

Este mês, a família d’A Rocha reuniu-se para o nosso Fórum Festival, uma oportunidade para todos os envolvidos em A Rocha em todo o mundo se encontrarem e partilharem juntos, embora virtualmente. Como parte de uma sessão desta semana fiz uma sondagem que dividiu a audiência quase a meio: 42% a 58%.

Na pergunta que fiz à família d’A Rocha, dei o exemplo do corredor-do-godavari, uma espécie de ave noturna descrita pela primeira vez em 1848, que se pensava estar extinta até ser redescoberta em 1986, e encontrada apenas numa pequena região de selva em Andhra Pradesh, na Índia. A principal ameaça tem sido a destruição e fragmentação do habitat pela agricultura e canais de irrigação necessários para evitar a seca nos arrozais.

O problema é que estes canais de irrigação são cruciais. Esta é uma região onde a pesada dívida e as secas têm levado os agricultores a suicídios em massa.

E foi assim que eu perguntei: Neste caso do corredor-do-godavari, qual deve ser a nossa prioridade? Salvar esta espécie ameaçada de extinção? Ou dar prioridade a vidas humanas? Não é invulgar na conservação enfrentar escolhas difíceis e nem sempre é possível encontrar soluções vantajosas para ambas as partes.

Corredor-do-godavari (Rhinoptilus bitorquatus). Pintura de J G Keulemans

Corredor-do-godavari Rhinoptilus bitorquatus. Pintura de J G Keulemans

Nesta situação em particular, foi defendida e implementada uma via alternativa para o canal de irrigação. Mas este foi um processo que demorou quase uma década. Muitas vezes nestes cenários, o tempo e os recursos necessários para encontrar soluções vantajosas para ambas as partes são escassos ou simplesmente indisponíveis, e os decisores encontram-se com uma escolha binária difícil – não podem simplesmente abster-se de responder (como algumas pessoas escolheram quando eu coloquei a questão em votação!).

Embora isto possa ser um exemplo de um caso extremo, há escolhas constantes a fazer para encontrar este equilíbrio entre a conservação da biodiversidade e a satisfação das necessidades de segurança alimentar global. Por exemplo, será que proibimos produtos químicos específicos que apenas afectam certos grupos de biodiversidade benéfica (pensemos nos neonicotinoides e nos polinizadores), ou será que avançamos para uma proibição total de todos os pesticidas sintéticos, como o referendo recentemente proposto na Suíça?

O resultado deste referendo foi um esmagador NÃO à proibição de todos os pesticidas. As razões citadas foram que uma proibição geral significaria uma produção agrícola mais baixa e preços alimentares mais altos. Isto apenas reitera o ponto de que a produção sustentável de alimentos de forma a beneficiar a biodiversidade muitas vezes tem um custo. Os agricultores que se afastaram das práticas tradicionalmente intensivas e optam por opções mais ecológicas, podem descobrir que leva vários anos a atingir o ponto de equilíbrio mesmo antes de começarem a ver quaisquer lucros. Esta pode não ser uma opção viável para a subsistência dos pequenos agricultores. Para contrariar quaisquer perdas monetárias sofridas, a agricultura amiga da biodiversidade certificada poderia exigir um preço mais elevado no retalho, mas isso, por sua vez, torná-la-ia incomportável para muitos consumidores.

Então, como respondemos a estas difíceis questões? Podemos encontrar soluções holísticas que considerem toda a comunidade e olhem para o futuro a longo prazo? Será que a conservação se baseia no nosso sentido de igualdade e justiça ou motiva-nos a encontrar soluções vantajosas para todos, mesmo que exijam tempo, esforço e recursos que podem não estar prontamente disponíveis?

Quais são as nossas razões e paixões para empreender o trabalho que realizamos? O que proporciona o impulso para lutar por soluções que protejam a biodiversidade, ao mesmo tempo que ajudam a reduzir a pobreza e a fome? Aqueles de nós que somos cristãos podemos olhar para as Escrituras, onde somos chamados tanto a amar e a procurar justiça para os nossos vizinhos humanos, como também a ser bons guardiões da criação de Deus – para servir e preservar os nossos semelhantes. Podemos inspirar-nos em Noé, lembrando-nos que Deus deu lugar a todas as espécies na arca, e procurar, sempre que possível, soluções vantajosas para ambas as partes. Entretanto, podemos também ter empatia com os dilemas desoladores enfrentados pelos conservacionistas e comunidades locais na linha da frente do equilíbrio entre biodiversidade e segurança alimentar.

Gostamos que nossos blogs sejam usados por terceiros desde que o autor seja citado e que A Rocha Internacional, arocha.org, seja citada como a fonte original. Agradecemos que nos informe se você usou nosso material, enviando um e-mail para [email protected].

Categorias: Reflexões
Sobre Deepa Senapathi

A Dr.ª Deepa Senapathi é Investigadora Principal em Biodiversidade e Serviços dos Ecossistemas na Universidade de Reading, Reino Unido, e também faz parte do Conselho Consultivo d’A Rocha Internacional para a Ciência da Conservação. Deepa nasceu e cresceu em Chennai, Índia, antes de prosseguir os estudos e investigação no Reino Unido. A sua investigação centrou-se nas populações de aves criticamente ameaçadas nas Maurícias e na Índia e, mais recentemente, nas comunidades de polinizadores de insectos na Grã-Bretanha e na Índia.

Veja todos os artigos de Deepa Senapathi (1)

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.