1 fevereiro 2021 | Sandra McCracken | 0 comentários

Não guarde a louça de jantar no baú durante a COVID-19

Reproduzido com permissão de Christianity Today

A falecida Miranda Harris era conhecida por ter fundado A Rocha com seu marido Peter 38 anos atrás. Mas ela também era conhecida pelas lindas cartas que enviava de lugares de todo o mundo.

Tive a sorte de ter recebido muitas delas. Elas chegaram em minha caixa postal do Tennessee com carimbos do correio da França, Índia e África do Sul. Suas cartas ganhavam vida com frases dos Salmos, novidades da família e palavras de encorajamento, escritas em linda caligrafia até as margens da página. Ela escreveu como viveu: transbordando.

O hábito fiel de Miranda de escrever cartas fazia parte de seu dom de trazer outros para sua vida. Assim era a mesa da família Harris. Num episódio famoso dos primórdios do ministério deles, Miranda gastou seus primeiros fundos em uma grande mesa de jantar.

Cruzinha, a casa d’A Rocha na costa portuguesa, era um centro de estudos que, naqueles primeiros anos, também serviu como a casa de sua família. Eles receberam viajantes e cientistas, observadores de aves com binóculos ao pescoço, registradores da natureza e pesquisadores (e ocasionalmente, a visita especial de uma coruja ou um passarinho em recuperação). A compra extravagante de uma mesa de jantar pela Miranda tornou a hospitalidade uma prioridade. A comunidade orbitou ao redor desta mesa através de conversas, banquetes e muito tempo passado frente a frente durante as refeições.

Pensei nesta imagem com freqüência este ano, pois nossas mesas familiares foram reduzidas em tamanho durante a vida da pandemia. Quer você viva sozinho, com um cônjuge, com amigos ou em outras formas de família, a compressão de nossos ritmos sociais provavelmente deixou você se sentindo isolado.

Seria mais fácil decidir comer em frente a uma tela, afastados dos outros ou escondendo nossos ouvidos em auscultadores. Embora todos precisemos de privacidade, especialmente em ambientes apertados, manter os ritmos regulares e cerimoniais de uma refeição familiar pode nos unir, mesmo quando sentimos a tensão inevitável da proximidade. (Para nossos entes queridos que estão perto do coração mas longe da vista, podemos igualmente levar conforto tangível e lembrá-los que são estimados através de chamadas telefônicas regulares ou bilhetes alegres.)

Os hábitos santos são muitas vezes hábitos hábitos sossegados. Se juntar para uma refeição, ao mesmo tempo e com as mesmas pessoas, nos recorda nosso sentido de pertença. Este tipo de alimento é mais nutritivo do que simples legumes em um prato. Quem nós somos começa aqui. No longo prazo, as relações são sustentadas por hábitos de hospitalidade, não importa a escala.

Compramos nossa pequena mesa de jantar redonda de um vizinho, no website de classificados Craigslist. É exatamente o que precisamos no momento, mas um dia esperamos ter uma mesa onde possamos organizar um banquete com amigos e vizinhos.

Ainda tenho a última carta que Miranda me enviou em minha mesa de cabeceira, e sinto falta de poder sentar-me em frente a ela do outro lado de uma mesa. Ao celebrar a vida de Miranda, sorrio quando penso como esbanjou em sua grande mesa. O legado de sua hospitalidade brilha ainda mais durante esta longa temporada de distanciamento social. Embora por um tempo possamos estar separados dos nossos entes queridos e os lugares à mesa sejam poucos, o hábito de nos encontrarmos com as poucas pessoas que temos perto de nós moldará nossos corações para o momento em que poderemos reunir todos novamente. em torno de uma grande mesa.

Que beleza, então, que o próprio Deus prepare uma mesa para nós (Salmo 23)! À mesa de Deus, Ele mesmo é o alimento, a festa e o anfitrião. Ao longo da história, a igreja tem sido frequentemente espalhada, e a Ceia do Senhor é uma demonstração da hospitalidade de Deus para conosco, pois nos lembra da morte e ressurreição de Jesus até que ele venha novamente.

Desta forma, a compra esbanjadora da mesa de Miranda tem um significado ainda mais profundo. Um dia, nos reuniremos novamente em uma mesa para um banquete de boas-vindas. Nessa perspectiva, colocar pratos e garfos pode se tornar uma liturgia de companheirismo. Simplesmente aparecendo, recebemos alimento de Deus ao passarmos o feijão e o arroz. Quando nos reunimos, o Espírito de Deus derrama esperança nos ritmos de nossas vidas.

Gostamos que nossos blogs sejam usados por terceiros desde que o autor seja citado e que A Rocha Internacional, www.arocha.org, seja citada como a fonte original. Agradecemos que nos informe se você usou nosso material, enviando um e-mail para [email protected].

Categorias: Histórias
Sobre Sandra McCracken

Sandra McCracken é a diretora artística do grupo de A Rocha em Nashville desde 2013. Ela tem liderado inúmeros retiros e workshops de composição musical, atraindo colegas artistas e compositores para refletir sobre o que significa conhecer, amar e cuidar da criação de Deus – pessoas e lugares – ao nosso redor. Sandra é uma prolífica cantora e compositora de canções e de hinos modernos; sua música tem sido cantada e apresentada por All Sons And Daughters, o seriado Anatomia de Grey, Audrey Assad, Indelible Grace, BiFrost Arts, Caedmon’s Call e outros. Ela também tem sido escritora convidada em The Gospel Coalition, Christianity Today, She Reads Truth, Art House America Blog, Relevant Magazine e outras publicações. A partir de sua casa, em Nashville, junto com seus dois filhos pequenos, Sandra contribui integra o coletivo Rain For Roots, produzindo belas canções gospel folk para os filhinhos de Deus de todas as idades.

Veja todos os artigos de Sandra McCracken (1)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.