24 setembro 2018 | Chris Naylor | 0 comentários

Cuidado da criação no Líbano

A história está escrita nas paisagens do Vale do Bekaa, no Líbano. Baalbek, com suas magníficas ruínas romanas, atrai os turistas, as colinas arredondadas mais antigas chamadas tells atraem também os arqueólogos, e longas linhas de arame farpado e tanques enferrujados marcam as linhas de frente das guerras modernas. Para o bem ou para o mal deixamos nossa marca na terra muito depois de termos ido embora. Ao visitar o vale recentemente, fiquei impressionado com o enorme crescimento nas cidades de West Bekaa, desde que saí há 9 anos. Engolidas por dezenas de milhares de refugiados sírios que fogem da guerra civil nas colinas ao leste, e uma população local crescente, a aglomeração urbana se espalhou pelas encostas e pelas terras férteis do vale – engolindo o pasto, os pomares, os jardins e os riachos em um manto cinza de concreto.

É claro que as pessoas precisam de moradia… mas também precisam de água limpa, terra para cultivarem os alimentos, acesso à beleza natural, espaço verde para a sua saúde mental e ar puro para respirar. É fato que o Bekaa e o planeta pertencem a Deus, e ele se importa com a forma e conteúdo do que escrevemos nele. Como cristãos, acreditamos que «A terra é do Senhor» (Salmo 24:1) – ele a criou, a possui e a ama. Como o criador, ele nos confiou sua grande obra-prima, para administrá-la em seu lugar. Ele nos fez co-criadores, criando-nos à sua imagem para nos unirmos a ele na formação de sua criação. Assim como a grande história da criação, Deus também escreveu uma história em uma paisagem de Gênesis 2:8 – ele plantou um jardim. Significativamente, ele deu a Adão e Eva um trabalho para fazer: a jardinagem.

Então, podem as pessoas dizer o que acreditamos sobre Deus a partir do que escrevemos na paisagem? Eles podem ver como Deus se importa com o planeta através de nós e do nosso cuidado com o próximo? Ou, colocando de uma maneira diferente, nós escrevemos o evangelho na paisagem? Esse foi o desafio quando, com a minha família, me mudei para morar no Líbano e no Bekaa no início dos anos 90. Trabalhando originalmente para a Igreja Presbiteriana do Líbano e Síria em uma Escola Secundária, através de A Rocha Líbano, minha esposa e eu logo nos envolvemos em esforços para restaurar e proteger os remanescentes degradados dos pântanos de água doce mais importantes do país. Drenados e maltratados ao longo de décadas, a bagatela final veio durante os anos da guerra civil libanesa, quando a área havia sido disputada por exércitos e milícias rivais, e um catálogo de abusos incluindo a caça descontrolada, o pastoreio excessivo, a extração excessiva de água e fogo subterrâneo continuaram sem controle.

A cena era uma afronta a Oséias 4:1–3, onde ele fala da terra que leva as conseqüências do pecado da humanidade; “Por causa disso a terra seca e todos os que nela vivem se perdem; as feras do campo, os pássaros do céu e os peixes do mar são varridos.” Mas outra história poderia ser escrita, e trabalhamos com os proprietários de terras, inquilinos, pastores beduínos, governo local e nacional, escolas, universidades. , polícia e unidades do exército para restaurar a zona húmida. Isso levou 10 anos e começou com a restauração nos relacionamentos; relações entre as pessoas e entre as pessoas e a terra. Amor e confiança foram perdidos e precisaram ser recuperados. Tenho o prazer de informar que, quando a visitei no mês passado [abril de 2018], a zona húmida ainda está em boa forma e é o orgulho e alegria das comunidades locais, bem como o lar de inúmeras aves reprodutoras, anfíbios, répteis, mamíferos, peixes, insetos e outros invertebrados, sem mencionar a riqueza da vida vegetal.

A Rocha Líbano ainda está escrevendo o evangelho na paisagem do vale de Bekaa. Trabalhando com os municípios locais de Mekse e Qab Elias, fornece o espaço verde necessário para as pessoas e a vida selvagem no coração da aglomeração urbana que constantemente se arrasta para a encosta. Ao plantar uma mistura de árvores e arbustos nativos e frutíferos, com caminhos, riachos e lagoas, está se transformando a terra de um resíduos de moscas em um refúgio para borboletas e pássaros e uma oportunidade para as crianças das escolas locais aprenderem sobre seu ambiente local direto da porta de casa. Uma vez que os plantios estejam maduros, o terreno maior em Mekse fornecerá um espaço verde urbano único para a comunidade local, plantado para que eles possam aproveitar e lembrar do seu lugar na criação da obra-prima de Deus e no Seu jardim.

Você pode ler mais sobre a história da restauração do pantanal de Bekaa no livro de Chris, Cartões postais do Oriente Médio, publicado por Lion Hudson

Você também pode escrever na paisagem libanesa! Através da loja online A Rocha, Gifts with a Difference (“presentes com uma diferença”), você pode plantar uma árvore em um parque natural,fornecer subsistência baseada na natureza para um refugiado sírio ou oferecer uma aula prática sobre a natureza para uma classe de crianças em idade escolar (os links estão em inglês).

Tradução: Rebeca Lins

Categorias: Reflexões
Sobre Chris Naylor

Antes de se juntar a A Rocha, Chris possuía ampla experiência no ensino de ciências e gestão escolar no Reino Unido e no Oriente Médio, frequentando a Faculdade Bíblica e aprendendo árabe (na Jordânia) ao longo do caminho. Ele se juntou À Rocha em 1997 trabalhando, até 2009, como Diretor do Líbano onde foi co-fundador dos trabalhos no local. Ele inspecionava o programa de restauração do habitat na Zona Úmida de Aammiq, o desenvolvimento do projeto de educação ambiental e o programa de pesquisa de campo, identificando 11 novas importantes Áreas de Aves. Desde abril de 2010 é Diretor Executivo d’A Rocha Internacional e trabalha em Oxfordshire. Seu livro Postcards from the Middle East: How our family fell in love with the Arab world (“Cartões Postais do Oriente Médio: Como nossa familia se apaixonou pelo mundo Árabe”) foi publicado por Lion Hudson em março de 2015.

Veja todos os artigos de Chris Naylor

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.